BEN CHARLES

 
Foto: Ed Andrade

Foto: Ed Andrade

Por Jaime Brasil Filho* –

Não é coincidência o fato de Ben Charles ter nascido na terra de Makunaima, deus criador do mundo tal qual o temos e que inspirou Mário de Andrade a escrever Macunaíma, um divisor de águas em nossa literatura e que se valeu das pesquisas do naturalista alemão Theordor Koch-Grünberg, que conviveu durante alguns anos com índios do tronco lingüístico Caribe. Eis que Ben Charles também divide águas, no tempo e no espaço da música da Amazônia. Tão moderno quanto tradicional, tão inventivo quanto alternativo, tão experimentalista quanto barroco. Na música de Ben Charles, a transcendência, a busca pela ruptura possível e imaginável em um mundo onde a indústria cultural tentou pasteurizar e diluir tudo, não se separa da imanência das terras de Roraima, do pé no chão, do pirão de farinha d’água, do jeito índio de ser. Tudo o que em sua música soa, sua, mimetiza-se no calor verde, nas gotas de chuva que ficaram represadas nas folhas da floresta.

Mas não se iludam, que neste mundo é preciso sintetizar o orgânico, guardar-lhe seus DNA’s, antes que algum aventureiro sem compromisso o faça. Todos os mais modernos recursos são bem-vindos para preservarmos a nossa biodiversidade, a nossa diversidade cultural.É por isso que, se Mario de Andrade se valeu dos povos da terra de Ben Charles para lançar um dos mais importantes pilares do movimento modernista, Ben Charles se valeu do modernismo, da antropofagia mais voraz para transmutar-se em diversas formas e elementos, como a nuvem que repentinamente tropeça no ar e deixa-se cair em cântaros, em um dilúvio, deixando de ser vapor, para logo retornar no mormaço do sol que já se apresenta novamente, à nuvem que havia sido.Ben Charles não segue bússolas, mas reconhece os astros e os rastros, sintoniza-se com os nossos dias e se utiliza dos meios de alta tecnologia para o reencontro das raízes musicais de nossa gente e, ao mesmo tempo, sem preconceitos, lança-se em busca de formas musicais de outros povos.Misturando mundos e linguagens e silêncio, compassos e contratempos, texturas e teias, matizes do mato e da cidade, Ben Charles traz Macunaíma de volta a sua terra natal.

* Jaime Brasil Filho é Poeta e Colunista do Jornal Folha de Boa Vista

PLAYLIST

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *