You are currently viewing AGRICULTURA FAMILIAR E INDÍGENA | Governo compra calcário para alavancar produção em todo o Estado
Compartilhe

Neste domingo, 24, Roraima recebeu no porto de Caracaraí, 5.500 toneladas de calcário, rocha sedimentar que ajuda a tornar os solos mais férteis e melhora a produtividade das safras.

A compra, feita pelo Governo do Estado, será destinada para os polos de produção das agriculturas familiar e indígena. O valor total investido é de R$ 2 milhões para atender as safras de 2021 e 2022.

Além do calcário, o Governo tem entregado novos tratores, caminhões, adubo e outros insumos, além de todos os implementos necessários para a produção mecanizada em comunidades indígenas e não indígenas.

As pedras passam pelo processo de secagem ao sol e quando ficam em uma tonalidade mais clara e cinzenta, são levadas para o moinho para serem trituradas. Os caminhões são carregados, pesados e encaminhados para os polos que recebem o apoio do Governo do Estado. Todo o processo de distribuição é acompanhado por fiscais da Secretaria do Índio.

O calcário é o principal produto utilizado para corrigir a acidez do solo. Em linhas gerais, age reduzindo a quantidade dos elementos nocivos, aumentando o nível de Cálcio e Magnésio, tornando assim o solo mais aerado, permitindo maior circulação de água e melhor desenvolvimento das raízes e, por consequência, o aumento da atividade dos microrganismos fazendo com que a adubação renda mais.

“Esse investimento que o Governo do Estado está fazendo é de extrema importância para os produtores, considerando que aí o investimento por hectare é de aproximadamente R$ 1.000, sem falar dos outros insumos. O principal objetivo é aumentar a produtividade por área dentro das comunidades indígenas e na agricultura familiar”, detalhou o secretário do Índio, Marcelo Pereira.

LOGÍSTICA

A entrega dessa nova leva de calcário inicia em maio. São 104 polos de produção, atendendo 1.500 famílias e toda a logística é feita dentro do contrato com a empresa, que entrega nos locais indicados pelos fiscais da Secretaria do Índio.

Texto: Júlia Rocha
Foto: Neto Figueredo

Deixe um comentário