MEDICAMENTOS Uso exagerado de remédios pode causar doenças no fígado e rins
Compartilhe

Medicamentos consumidos continuamente podem causar problemas sérios à saúde.

Os medicamentos podem ser usados no tratamento de doenças, prevenção e controle de sintomas, como as dores, por exemplo. Mas, se consumidos continuamente, podem causar problemas sérios à saúde.

De acordo com o presidente do Conselho Regional de Farmácia (CRF-RR), Adônis Motta, o uso contínuo dos remédios mais populares, como anti-inflamatórios e analgésicos, afetam drasticamente os rins e o fígado, podendo fazê-los perder completamente sua função no organismo.

“Quando se consome o remédio o nosso fígado pega a droga após o efeito e joga fora. Só que quando você toma muito paracetamol, por exemplo, que é comum para dor, o fígado fica sobrecarregado e quando se prepara para ser excretado, produz um produto tóxico que vai fazer a agressão nas nossas células do fígado e aí o fígado começa a morrer. Às vezes até rápido e chamamos de intoxicação aguda”, explicou Motta.

Dentre as doenças que os medicamentos podem causar, estão gastrite e úlcera, que segundo o presidente do CRF, ocasionam fortes dores abdominais, devido a essa lesão.

“Outras remédios podem provocar tremores, aceleração do batimento cardíaco, suor excessivo e pode ocasionar problemas neurológicos. Desses problemas neurológicos, a pessoa pode desencadear a psicose, isso dependendo do tipo de medicamento que será usado”, alertou.

Entretanto, existem medicamentos que podem ser usados a longo prazo, como para diabéticos e hipertensos. Mas esses também dependem do organismo de cada pessoa, pois há a possibilidade da medicação perder o efeito após um período.

“Esses medicamentos, de tanto serem utilizados, eles acabam se acostumando dentro do nosso organismo, ou seja, o efeito dele vai ser bem menor do que a gente utilizava antigamente. Isso é uma forma que o nosso organismo tem de eliminar, de forma rápida, aquele medicamento e quando isso acontece, muito com os medicamentos hipertensivos, é preciso trocar a medicação”, disse Adônis Motta.

Além disso, as reações alérgicas também podem ser causadas por analgésico, anti-inflamatórios e outras classes de medicamentos, que conforme o presidente, é uma forma de defesa do corpo.

DEPENDÊNCIA – Outros medicamentos que também geram problemas se usados a longo prazo são os antidepressivos e ansiolíticos, remédios prescritos somente por médicos. Segundo o presidente, o consumo dessa classe cresceu muito com a pandemia, porém os pacientes devem se ater a possibilidade da dependência.

“A pessoa fica dependente e se ela para de tomar esse remédio de maneira abrupta, vai correr atrás e conseguir o medicamento de qualquer maneira”, disse o presidente do CRF.

ORIENTAÇÕES – Além da orientação de leitura da bula, para precaver possíveis sintomas de reação adversa do medicamento, é importante que procure esclarecimentos com médico ou farmacêutico.

“Quando o paciente for a farmácia atrás de algum medicamento, principalmente aqueles que ficam nas prateleiras, a disposição da pessoa, consulte o farmacêutico, converse com ele. Toda drogaria tem esse especialista para tirar as dúvidas”, orientou Motta.

De acordo com a OMS (Organização Mundial de Saúde), o uso adequado de medicamentos acontece quando o paciente recebe o medicamento apropriado, em doses adequadas à sua necessidade e por um período de tempo determinado necessário.

Deixe uma resposta